Dúvidas Frequentes

1- O que é Ortofoto?

Ortofoto é a foto corrigida de todas as deformações presentes na fotografia aérea, decorrentes da projeção cônica da fotografia e das variações do relevo  que dão à foto um aspecto distorcido. Uma ortofotografia se consegue mediante a um conjunto de imagens aéreas que tenham sido corrigidas digitalmente para representar uma projeção ortogonal sem efeitos de perspectiva, pela qual é possível realizar medições exatas, ao contrário de uma fotografia aérea simples, que sempre apresenta deformações causadas pela perspectiva da câmera, a altitude ou da velocidade com que se move a câmera. Este processo de correção digital chama-se de ortorretificação. A junção de diversas ortofotos se dá o nome de ortofotomosaico.

 

2- A topografia com Drones Substitui a Topografia Convencional?

A topografia com Drones deve ser considerada uma alternativa à topografia convencional. Com Drones é possível mapear extensas áreas de difícil acesso com apenas um operador de campo, o que reduz o tempo e o custo do levantamento. Diversas áreas são possíveis de se mapear, no entanto mapeamentos de áreas com recobrimento total por vegetação de grande porte ou áreas muito urbanizadas onde não é possível se imagear a superfície do terreno podem ser impeditivos para o uso da ferramenta. Vegetação e construções em partes do terreno, no entanto, não impedem o levantamento pois o processamento de dados em escritório viabiliza a interpolação de dados através de um processo de filtragem que elimina áreas indesejadas do levantamento para a obtenção de curvas de nível e geração do ortofotomosaico.

3- Posso utilizar a topografia gerada a partir das imagens capturadas com drones (ortorretificadas) como base para projetos de engenharia?

Os produtos cartográficos gerados a partir do levantamento com drones podem ser utilizados para a grande maioria de casos que necessitem bases georreferenciadas com precisão centimétrica. O voo deverá ser previamente planejado de acordo com a necessidade de escala do produto cartográfico e de cada projeto pretendido.

4- Posso utilizar a topografia com drones para cálculos de área e volume?

O levantamento fotogramétrico com Drones atende com excelência as demandas para cálculos de cubagem, que tanto podem ser feitos por software de processamento de dados, como pela utilização das curvas de nível através de metodologias convencionais utilizadas por geólogos, a exemplo do cálculo da semi-distância de sessões transversais. Notadamente, o cálculo através do software tende a ser infinitamente mais preciso tendo em vista basear-se nos dados de milhares de pixeis das imagens georreferenciadas capturadas pelo drone.

5- O que é PEC?

PEC é a sigla abreviação de Padrão de Exatidão Cartográfica. Trata-se de um padrão de qualidade posicional que deve ser atendido pelos produtos cartográficos brasileiros. A lei 89.817 de 1984 estabelece as Instruções Reguladoras das Normas Técnicas da Cartografia Nacional e o Padrão de Exatidão Cartográfica - PEC que corresponde ao erro máximo aceitável para classificação de um produto como de Classe A, B, C ou D.

6- Se o sensor embarcado no Drone é um GPS de navegação, como eu sei que a qualidade posicional do produto cartográfico atende ao PEC?

O mapeamento através de Drone gera produtos cartográficos com qualidade posicional compatível com o GPS de navegação que esta embarcado na aeronave, ou seja: possuiu um erro de vários metros. No entanto, o levantamento torna-se preciso utilizando-se alguns pontos de controle e verificação (check points) para respectivamente, melhorar a qualidade posicional do levantamento e para verificar a acurácia do levantamento. A necessidade da utilização de pontos de campo com receptor GNSS (GPS de Precisão - Global Navigation Satellite System) para controle e verificação deve ser debatida com o contratante dependendo das necessidades do seu projeto.

7- Como eu sei se a empresa que eu contratei pode fornecer produtos que tenham respaldo perante órgãos públicos, como DNPM, Fundações de Meio Ambiente e Prefeituras?

Como os produtos gerados pela ortoretificação de imagens aéreas capturadas por drones podem ser levadas à precisão centimétrica e atender a classe A do Padrão de Exatidão Cartográfica Brasileira, pode-se por tanto, atender as demandas de todos os órgãos no território brasileiro, bastando para isso estabelecer previamente as exigências estabelecidas pela repartição solicitante para um planejamento de voo adequado.

Ficou com mais dúvidas? Não exite em entrar em contato conosco. 

.